domingo, 5 de dezembro de 2010


Há mil anos trago um choro em meu ser,
E um novo oceano surgirá
logo que tal choro findar.
Choverei por milênios à dentro,
praguejando em trovoadas
A dor de tortuosas estradas.
Ventarei cortando friamente,
maldizendo a todos os cantos
a aflição de todo meu pranto.
Ousarei relampejar loucamente,
Para quem sabe tudo queimar
e restar somente um mar.
O que trago há mil anos vou agora chorar!

Guilherme Zapata

5 comentários:

  1. ...se esse choro for de inspiração... que seja então um oceano de pranto... pra jorrar mais versos belos assim...

    ResponderExcluir
  2. É um choro de sentimentos, uma aflição de inspiração....

    Brigado!!! *-*

    ResponderExcluir